terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Balanço do Comando Gilson Menezes por entidade de classe.

Hoje podemos falar sem medo de represarias sobre a personalidade do Senhor Gilson Menezes, o qual foi comandante da GCM de 2013 a 2016.

Temos que agradecer o seu empenho em algumas conquistas as quais julgamos serem as mais importantes e marcantes para a GCM que são:
  1. O alinhamento na busca da Aposentadoria Especial;
  2. Viabilização do ingresso da GCM como agencia fiscalizadora do transito;
  3.  A efetivação do porte de arma particular;
  4. A efetivação e viabilização da DEAC na GCM.

Tivemos a frente da GCM uma pessoa com larga experiência, letrado, com diversas graduações e cursos de pós-graduação, que somados garantiram a ele o primeiro lugar no processo de Promoção para o cargo de Inspetor de Agrupamento, o que é elogioso de fato.

Foi Comandante da GCM de Osasco e Presidente do Conselho Nacional das Guardas Municipais.

Quanto aos aspectos negativos temos também que apontar, pois todos nós seres humanos somos suscetíveis de erros.

Dentre as ações negativas podemos observar como principal a forma de gerir centralizadora e ditatorial.

O Comandante Gilson Menezes deu exemplo de que adota a cartilha de Maquiavel, pois sempre deixou claro que não é aberto a criticas.

Criou um canal através do e-mail fale com o comandante, mas puniu um servidor com suspensão por ter simplesmente afirmado que a GCM não funcionava, isso no que se refere a informação equivocada dada pelos canais de GCM, sobre plano de habitação da COHAB para o GCM.

Transferiu muitas pessoas de longe de suas residências, por elas procurarem vereadores para pedirem colocação em unidades de melhor rendimento financeiro.

Da mesma forma puniu, transferiu e processou os Guardas que ousaram criticar sua gestão nas redes sociais.

Não bastasse afastou a maioria dos Inspetores Regionais efetivos, escondendo-os nas Juntas Militares, ou em outros postos de menor importância, desmerecendo os que ocupavam os maiores cargos da carreira da GCM.

Portanto o assédio como forma de calar a liberdade de expressão dos integrantes a GCM, foi uma de suas marcas negativas, a qual infelizmente maculou todas as grandes conquistas que se deram em sua gestão.

Outro fator negativo foi a ausência de empenho político do Comandante da GCM em buscar melhor condição salarial para o Guarda.

O próprio Senhor Gilson Menezes alardeava em suas reuniões que quase diariamente falava com o Prefeito de São Paulo.

E justamente por sua proximidade com o Maior Gestor, podemos afirmar que deixou a desejar em sua primeira responsabilidade, que é com o bem estar e com a sobrevivência do seu comandado o profissional da GCM.

Infelizmente o Senhor Gilson não olhou de forma adequada para os pais de família da GCM, os quais de fato não tiveram seus salários recompostos da enorme perda salarial que beira a 80%.

Fato ainda intrigante foi o seu silenciar em ocorrência recente de disparo de arma na zonal leste que infelizmente veio a resultar na morte de uma criança de 11 anos.

A omissão da voz do Comandante da GCM foi um dos fatores que colaboraram para que a imprensa jogasse lama na imagem da instituição.


Concluímos que temos sim o que comemorar no aspecto positivo de suas ações, mas infelizmente sua forma ditadora de gestão, punindo, transferindo e perseguindo os que ousaram criticar sua pessoa, bem como sua falta de empenho para com a Base da GCM na busca de um salário digno para um servidor policial e por fim o silenciar de sua voz nos meios de comunicação nos momentos críticos, foram marcas que macularam de forma grave seu histórico como Comandante da Maior Guarda Civil do Hemisfério sul do Planeta.

Por fim para ele cabe bem a seguinte expressão do latim:

Boni pastoris est tondere pecus, non deglubere.

(O bom pastor deve tosquiar, e não esfolar o seu rebanho)




Nota de começo de Ano.

Desejamos a Todos um feliz 2017, e que neste ano possamos alcançar nossos objetivos, mas que não nos esqueçamos de nossa família e de nossos queridos amigos, pois eles são o maior tesou que temos na face da terra.
Bem como oramos a Deus pedindo saúde e paz.

Agradecemos a todos os nossos associados, amigos, colaboradores e críticos, pois todos nos ajudaram  crescer neste ano de 2016.

Esperamos que possamos buscar união, em nosso meio profissional e que alcancemos melhores condições de trabalho, valorização da profissão e melhores salários neste ano que se inicia.

Por fim a Abraguardas deseja a todos um feliz 2017, cheio de felicidade, alegria, paz, amor, saúde e prosperidade a todos.



quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

NOTA DE REPÚDIO A CEL. PM PARA SMSU E INDICAÇÃO DA CATEGORIA PARA O VEREADOR ARI FRIEDENBACH

A pedido dos nossos Associados reconhecem a pessoa do Vereador Ari Friedenbach, como um dos mais fervorosos defensores da GCM.

Assim sendo além de repudiar a nomeação de um CEL PM, veem indicar via abaixo assinado o nome do Vereador Ari Friendenbach, para que seja apreciado pelo Exmo. Prefeito João Dória para assumir o cargo de Secretário de Segurança Urbana de São Paulo.

Por este fato lançamos novo ABAIXO ASSINADO para os que queiram colaborar e solicitamos a divulgação nos meios eletrônicos.

http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR96387

OBS. Pedimos as pessoas que assinaram no Abaixo Assinado anterior que assinem novamente.

Eziquiel Edson Faria.

Presidente Abraguardas.


domingo, 4 de dezembro de 2016

NOTA DE REPÚDIO PELA NOMEAÇAO DO CORONEL PM COMO SECRETÁRIO DA SMSU - SP

NOTA DE REPÚDIO A NOMEAÇÃO DE CORONEL DA PM MILITAR PARA SECRETARIA DE SEGURANÇA URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.


A Associação Brasileira dos Guardas Civis – ABRAGUARDAS em nota OFICIAL REPUDIA a nomeação do Coronel José Roberto Oliveira como Secretário de Segurança Urbana, pelo que se expõe:

Considerando o posicionamento oficial da Policia Militar do Estado de São Paulo que prova ser contrário as organizações guardas municipais, devido a existência da DIRETRIZ Nº PM3-OO1/02/01 - Cmdo. Geral - SÃO PAULO-SP (Ref. Dtz Nº Scmt/PM-APOOp-001/2/92, de 11Abr92). expedida pelo Cel RUI CESAR MELO Coronel PM Comandante Geral, que em seu teor:

 a)      Possui a finalidade de desestimular as instituições guarda municipais como prevê o título de sua finalidade: “Da finalidade da Diretriz - Padronizar os procedimentos das OPM em relação às guardas municipais existentes, bem como aqueles a serem adotados junto ao poder público municipal nos municípios em que houver pretensão de criação dessas instituições e outras providências a serem adotadas para desestimular iniciativas nesse sentido.”
b)     Adota um Caráter intervencionista com o objetivo de desviar verbas municipais em detrimento da GCM para o investimento na PM: “ l) desse modo, mais conveniente é que, em havendo a disposição do poder público Municipal de criar uma guarda, que ele seja estimulado a conveniar-se com a Policia Militar ou a assinar Termos de Cooperação com ela, de modo a garantir a Corporação condições mais adequadas de trabalho, equipamentos que porventura lhe faltem ou permitam produtividade acentuada.” (g.n.)
c)      Confessa a ineficiência da Policia Militar e mesmo assim declara que a OPM deve buscar medidas restritivas a atuação das Guardas Municipais: “é certo, porém, que a Polícia Militar, mesmo em razão de possíveis lacunas existentes em sua prestação de serviços, diante da existência de uma guarda municipal, não pode deixar de agir dissuasivamente para que estas não extrapolem o âmbito de suas atribuições, sponti sua ou motivada por outros órgãos com interesses escusos, sendo esta responsabilidade do comandante da OPM em cuja área está abrangido o município a que esse organismo pertence.”(g.n.)
d)     Institui na PM inclusive estendendo para o todo o seu oficialato o conceito de concorrência funcional frente as Guardas Municipais e incentiva o confronto de seus integrantes para com os GCM’s: “a) caso se esgotem os meios pacíficos de coesão e cooperação entre o município, por intermédio de sua guarda municipal, e a Polícia Militar e, em havendo o desvio de competência, devem ser adotadas as medidas necessárias para promover representação junto ao Ministério Público contra aqueles atos praticados que excedam sua competência constitucional, juntado os documentos comprobatórios, de acordo com as orientações distribuídas”(g.n.).
e)      Coloca que um dos objetivos de desincentivo a criação de Guardas Municipais é a adoção da Polícia Comunitária na PM com a aproximação dos policiais as comunidades para que não se crie ou se amplie o serviço das Guardas Municipais: “i. quanto ao primeiro trato da questão, a ênfase na Polícia Comunitária, política da Corporação em franco processo de expansão e cujas ações tem o condão de angariar um alto índice de credibilidade e aceitabilidade da polícia por parte da população, apresenta-se como a ação mais eficaz para redução da criminalidade a médio e longo prazo, fato sobejamente comprovado por diversas experiências no exterior e também no País, sendo, portanto, um dos caminhos mais viáveis para o desincentivo à criação de guardas municipais, tanto pela sua desnecessidade como pelo engajamento dos membros da comunidade em ações proativas de segurança pública;”
f)       Adota de forma clara procedimentos que são extremamente danosos a sobrevivência e a melhoria das guardas municipais, bem como orienta os Comandantes PMs a desestimular a criação de guardas nos municípios que atuam: “b) orientar os comandantes de OPM a adotar medidas que tornem desnecessária a criação de guardas municipais, bem como fornecer-lhes instruções básicas sobre ações dissuasórias, quando houver invasão de competência;” (g.n.) d) acompanhar o processo político e legislativo do município, visando adotar as medidas capazes de desestimular a criação de guardas municipais e, quando estas já existirem, no sentido de evitar seja-lhes cometida qualquer atividade que extrapole o limite constitucional;(g.n.) e) desestimular a aplicação, em órgãos municipais, de denominações que se refiram à segurança pública ou à polícia, tais como “secretaria municipal de segurança pública” e congêneres, que acabam por ensejar o falso entendimento que este tipo de órgão tem funções diretamente ligadas a atividades privativas do Estado, gerando incertezas e confusão nas pessoas quanto ao papel de cada órgão ou esfera de governo; (g.n.)

Considerando que o teor da referida na DIRETRIZ Nº PM3-OO1/02/01 - Cmdo. Geral - SÃO PAULO-SP foi tão devastador para as Guardas Municipais, que iniciou uma série de ações danosas e de retaliação tanto a nível Federal, Estadual e Municipal servindo de orientação não somente em São Paulo, mas servindo de norte para todas as Policias Militares do Brasil, pois vejamos:

 a)      Ações a nível nacional:

a.1) 2002. A Polícia Militar do Estado do Mato Grosso, questiona o Ministério do Exército sobre o instrumento legal para autorização das Guardas Municipais comprarem armas de fogo, pois o instrumento utilizado era o mesmo para empresas privadas e que as GM”s não possuíam instrumental jurídico para tal concessão, tal questionamento foi acatado e o Exército interrompeu as autorizações para compra de armas para as instituições Guardas Municipais em todo o Território Nacional.
a.2) 2003. As Polícias Militares de forma notória trabalharam para que o Estatuto do desarmamento restringisse a atuação das Guardas Municipais, como órgão de segurança, procurou anular a ação destes organismos de forma simples, anulando sua capacidade operacional de atuar na Segurança Pública retirando o armamento dos seus integrantes, como podemos verificar:

             i.            Antes do estatuto a compra de armamento ou sua doação as Guardas Municipais eram promovidas pela Secretaria de Segurança de cada estado, não havia impedimento para armar as guardas municipais.

          ii.            Houve então a elaboração do texto inicial do Projeto de Lei do Estatuto do Desarmamento, com forte influência política dos Oficiais da PM, para que na proposta todas as Guardas Municipais com número de habitantes inferior a Um milhão seriam desarmadas.

        iii.            O projeto foi aprovado com restrição para municípios com menos de 250.000 (duzentos e cinquenta mil) e por intervenção política dos órgãos de representatividade das Guardas Municipais, foi editada medida provisória baixando esta restrição para municípios com menos de 50.000 (cinquenta mil habitantes), fato que impediria cerca de 80 % (oitenta por cento) dos municípios brasileiros a armarem suas guardas municipais.  

a.3) 2000 à 2016 existe um Trabalho constante de lobbies para minar, barrar ou retardar a PEC 543 favorável as guardas municipais.

a.4) 2014 FENEME – a Federação Nacional de Entidades de Oficiais Estaduais (Feneme) ingressa com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5156, que objetiva anular o Estatuto Geral das Guardas Municipais (Lei 13.022/2014). http://www.feneme.org.br/pagina/1249/feneme-protocola-adi-no-stf-face-a-dispositivo-da-lei-federal-13022---estatuto-das-guardas-municipais

 b)     Ações a Nível Estadual:

b.1) 1986 – apresentação de projeto PEC do Estado de São Paulo, do Deputado Sydney Palácios, SP que subordina as Guardas à Polícia Militar.

b.2) 1989 – Apresentação da Emenda nº 3179, ao Anteprojeto de Constituição do Estado de São Paulo, do Deputado José Coimbra, SP com o seguinte teor: “... Polícia Militar é órgão competente e capacitado estruturalmente para formar, treinar e orientar os integrantes das Guardas Municipais”.

b.3) 1989 – Apresentação da Emenda nº 3685, do Anteprojeto de Constituição do Estado de São Paulo, Deputado Luiz Francisco, SP; com teor intervencionista “... mediante convênio com a Polícia Militar”.

b.4) 1989- Apresentação da Emenda nº 4183, ao Anteprojeto de Constituição do Estado de São Paulo, Deputado Conte Lopes, SP, com “... supervisão e coordenação das Guardas Municipais pela Polícia Militar”.

b.5) 1989 – Apresentação da Emenda n° 4184, ao Anteprojeto de Constituição do Estado de São Paulo, Deputado Edson Ferrarini, SP, que prevê: “...Guardas Municipais ficarão sob controle, fiscalização e orientação da Polícia Militar”.

b.6) 2001 – apresentação da Emenda nº 20, do Deputado Willians Rafael, SP; que dis “...através de convênio com o Estado autoriza o município a executar serviço de policiamento ostensivo e preventivo, sobre supervisão da PM”

b.7) 2001 – apresentação da Emenda nº 23, do Deputado Edson Ferrarini, SP, que diz “...executar serviços de policiamento ostensivo, cujo tipo, instrução e coordenação ficarão a cargo da polícia Militar”.


b.8) 2005 - A cúpula da Polícia Militar fez gestão junto ao DENATRAN, que resultou na edição da resolução normativa 05/05 do CETRAN/SP, proibindo que Agentes de Trânsito, recrutados no seio da Corporação Guarda Municipal, atuasse no Trânsito da Cidade, forçando que as guardas apelassem para o judiciário e muitas a época foram retiradas do policiamento de transito.


c)      Ações a Nível Local.

c.1) 2004. O Coronel “Alberto Silveira Rodrigues” na condição de Comandante da Policia Militar provocou a ADIN-115804-0/3-TJ, pedindo a anulação do inciso IX, do artigo 1ª e do artigo 2º ao 16 da Lei Municipal 13.866/04 , que tratava da atribuição de Policiamento Preventivo para a GCM. http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=02072004L 138660000

c.2) 2005. Tivemos na gestão do Jose Serra o rebaixamento da Secretaria de Segurança Urbana a qual que passou a ser Coordenadoria de Segurança Urbana causando uma enorme perda para a GCM. http://saopaulo.pps.org.br/helper/printData/135326

c.3) 2005. Foi nomeado pelo Serra o então Coronel “Alberto Silveira Rodrigues”, que foi nada mais nada menos que Comandante Geral da Policia Militar e declaradamente se posicionava contra a GCM.

c.4) 2006, Encaminhamento de projeto de lei 197/06, a pedido do Coronel Alberto Silveira Rodrigues a câmara municipal de São Paulo, restringindo a atribuições da GCM de São Paulo.

c.5) 2009, Aprovação e instituição da Lei 14.977/09, que institui a Operação Delegada a qual repassou a função da GCM de fiscalização do comercio irregular para a Policia Militar, com pagamento pela prefeitura de salários aos PMs. nhttp://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=12092009L 149770000

Cumprindo assim com a determinação da Diretriz Nº PM3-OO1/02/01 quando a mesma indica que as OPM’s devem estabelecer programas ou meios de transferências de recursos do município para a PM.

Considerando a realização do movimento FORA CORONEL realizado em 2008, que provocou a queda do Coronel Alberto Silveira Rodrigues, que não conseguiu se manter à frente da Coordenadoria pedindo exoneração do cargo em 11 de maio de 2008, (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0105200817.htm), e que este fato foi considerado uma vitória do efetivo da GCM.

Considerando o espírito da Lei 13.022/14 que trata do Estatuto das Guardas Civis, e que em seus dispositivos repudiam a presença de Policiais Militares na estrutura tanto de ensino como de gestão.

Considerando que a entrevista ao meio jornalístico do novo Secretário Coronel José Roberto Oliveira em seu teor, já demonstra a vontade de expandir a operação delegada para a Policia Militar, com aumento do volume de verbas as quais deveriam ser investidas na GCM.

Considerando que em sua entrevista demonstrou descaso no que se refere a contratação de novos GCM’s, indicando que deve ser verificada a validade e a possibilidade financeira junto a Secretaria de Gestão, fato contrário ao orçamento previsto para 2017 o qual já possui a previsão orçamentária para a contratação de 1.500 Guardas.

Considerando o alto grau de insatisfação dos Guardas Civis Metropolitanos já manifestado nas redes sociais quanto a nomeação do Coronel.

Considerando que os integrantes da GCM já se posicionaram de forma veemente contrária a presença de um Coronel da Policia Militar na estrutura da SMSU.

Devido a todas as justificativas de fato e de direito, bem como a vontade da maioria esmagadora dos Guardas Civis Metropolitanos, apresentamos esta NOTA DE REPÚDIO pela nomeação do Coronel PM ao cargo de Secretário da Gestão João Dória.

Pedimos a todos os Guardas que nos auxiliem NA DIVULGAÇÃO DO ABAIXO ASSINADO QUE ESTÁ NO SITE PETIÇÃO PUBLICA, para colher o maior número de assinaturas contra esta nomeação.

http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR96317

Bem como pedimos a atenção para comparecerem quando houver o chamamento desta entidade para manifestações contra esta nomeação que é extremamente danosa a categoria GCM.

Solicitamos ainda que compartilhem esta NOTA, dentre o maior número de pessoas possíveis para que possamos ser ouvidos no meio Jornalístico.


Eziquel Edson FARIA.

Presidente Abraguardas.


Telefone: 11 – 98015-3234











quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Convenio Open Line

Caros amigos e associados.

A partir do ano de 2017 iremos expandir as nossas parcerias para ampliar o leque de opções aos nossos associados.

Com este objetivo de oferecer melhores condições de escolha ao nosso associado para que o produto ou serviço seja de seu agrado e possibilidades, estamos consolidando uma nova parceria com a OPEN LINE.

A Openline é um sistema de cartão de descontos na área de Saúde.

A Empresa já possui mais de 20 anos no mercado e mais de 12.000 mil redes credenciadas em todas as regiões de São Paulo.

Possibilitando o acesso aos melhores Laboratórios, Clinicas, de Odontologia e de Medicina, sem carência ou limite de idade, com uso imediato.

O cartão pode oferecer em algumas clinicas e em alguns exames o desconto de até 90 % dentro das promoções especiais.

Que ocorrem nas clinicas próprias na região Leste e Sul.

Caso VC Tenha interesse em sabe como é que funciona o sistema de cartão de descontos da Openline entre em contato com o telefone 3195-9090

IDENTIFIQUE-SE COMO DA CORPORAÇÃO E ASSOCIADO DA  ABRAGUARDAS E OBTENHA O SEU DESCONTO.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Tempos incertos "João Dória", o que nos aguarda.

Caros amigos e associados primeiramente gostaríamos de me desculpar pela ausência de matérias neste blog.

Agora após as eleições estamos nos preparando para mais um novo ciclo em nossas vidas que é uma nova gestão tendo a frente um empresário que é o João Dória.

Temos que aguardar para ver o que nos aguarda, não há como agora realizarmos previsões futuristas de relações de “terror”, ou pelo contrário de “amor” com a administração que irá advir.

Primeiramente João Doria é um empresário rico e bem sucedido no meio empresarial, seu patrimônio segundo levantamentos supera R$ 170 milhões.

O fato de ser fico não significa que ele seja ético, ou que tenha alguma moral, muito pelo contrário está envolvido em procedimentos que podem levar a acusação de lavagem de dinheiro e de sonegação do imposto de renda, pois possui aplicações secretas no exterior, como mostra a reportagem do site de noticias da UOL, conforme link abaixo:

O que se verifica é que algumas pessoas são pobres almas ludibriadas pela ganância e que se esquecem de que um dia irão morrer e que seus bens ficaram na terra, afinal caixão não tem gaveta com diz o ditado popular.

Ocorre que pessoas que tem esta característica de serem viciadas no dinheiro (avareza), que já tem muito e querem muito mais, geralmente são pessoas que fazem tudo para se enriquecer ainda mais, isso é uma doença, pois a avareza é característica do egocentrismo, que foi retratada pelo personagem do tio patinhas, que é fissurado em dinheiro é a meu ver a este distúrbio é uma das piores doenças comportamentais do ser humano.

Pois esta gera pobreza, sofrimento e miséria a outras pessoas, o que se inclui crianças, mulheres e idosos.

Não que ser milionário seja algo ruim ou imoral, o problema é como se ganha este milhão e da ânsia de elevar às quantias a enésima potencia.

João Dória é um personagem velho na política apesar de não se político se beneficiou dela para criar o seu império, pois sua empresa de eventos e lobby, a Lide – Liderança Empresarial, cresceu a sombra dos governos do PT e do PSDB, alias neste caso ao Partido dos Trabalhadores cabe o ditado “criou cobra para lhe morder”.

Bem com é famoso por ser sovina e não colocar o dinheiro no bolso para nada, isso alias está consolidado em sua campanha, que foi capitaneada pelo também empresário Washington Cinel, dono da GOCIL segurança, a qual possui inúmeros contratos com o governo do PSDB.

Isso é o que nos revela matéria da Rede Brasil Atual, no link abaixo:



Segundo sua biografia, é filho de família abastada elite da elite tradicional nordestina, descendente da família “Costa Dória”, já instalada no Brasil desde o período colonial, cujos membros foram senhores de engenho, coronéis e políticos da Bahia, estas informações estão disponibilizadas no site Wikipédia, no link


Após este breve esboço do que temos de João Dória, e conforme o que já declarou em sua propaganda eleitoral, podemos esperar que irá promover a mais ferrenha e feros processo de privatização da prefeitura.

A começar pelos parques públicos, museus e equipamentos da cultura e do esporte, isso não porque objetiva uma melhor gestão ou que seja bom para são Paulo, o objetivo é único, prover favores aos seus coirmãos empresários da elite brasileira.

E para quem tem um pequena visão, observando-se o fato do empresário que se coloca como braço financeiro de sua campanha ser o Senhor  Washington Cinel, dono da GOCIL Segurança, o que podemos esperar quanto a Guarda Civil Metropolitana, que atua de forma concorrente na área de segurança, principalmente na segurança escolar e de próprios públicos.

Dentro desta política arrasadora de privatizações e com a proximidade do João Dória com o Governador do Estado que é PRÓ PM, não vejo tempo melhores para nós.

Quanto ao transito, já declarou que o GCM não irá multar, portanto corre-se o risco de que o talão de multa seja retirado do Guarda, não que isso irá fazer falta, mas esta foi uma luta antiga que somente agora conseguimos, e que o talão se faz uma importante ferramenta que impõe respeito ao Guarda por parte do motorista.

Talvez nos reste somente o combate à pirataria, e esperar a falência ou a extinção pela ausência de contratação.

Certamente, creio que não podemos esperar mais deste empresário, e temos que nos preparar para uma gestão de lutas e de muitas medidas judiciais, para conter esta figura sombria que é o Senhor João Doória, como nosso comandante mor.

Por mais este fato é que necessitamos de união e de inteligência para fazer frente a uma gestão que a priori, não indica que seremos sequer vistos.

Quanto ao Comando da GCM, pouco importa, pois estes historicamente sempre foram subservientes  aos mandos dos Secretários da Secretaria.

Alias com a reforma proposta por João Dória,  certamente perderemos mais uma vez a nossa Secretaria de Segurança Urbana, que será integrada a uma outra Secretaria na condiçao de Coordenadoria, isso já ocorreu na gestão do então prefeito José Serra o famoso apelidado “Mun Rá” em alusão a múmia do vilão do desenho da década de 80 os “thundercats”.

E agora saímos da gestão do “menino maluquinho” e entramos na gestão do “tio patinhas” na Prefeitura de São Paulo, sinceramente às vezes penso qual foi o pecado que nós guardas cometemos...